sábado, 3 de setembro de 2016

Quando quem ensina são os filhos!


Este ano o Gonçalo pediu ao nosso filho mais velho umas aulas de surf. Foi tão divertido vermos os papeis invertidos! O Francisco teve imensa paciência e o Gonçalo foi um óptimo aluno, levantou-se logo à terceira. Os miúdos fazem a coisa parecer fácil mas afinal não é bem assim... 
<3 Mariana 


"Dá-me imenso gozo poder ensinar o meu pai a fazer o desporto que amo.  Acho que poder mostrar coisas diferentes ao meu pai é um máximo! 
Adorei esta experiência de ensinar alguém e espero que venham muitas mais aulas. Também é um grande divertimento para a a família ver e assistir a grandes tralhos do pai e divirto-me a sentir as memórias de quando comecei a fazer surf.
Acho que o surf é um dos desportos mais acessíveis a todas as idades, tamanhos ou dificuldades."

;) Francisco

"Nunca fui um homem de mar, mas sim de serra. Cresci no Tortosendo, uma vila beirã perto da cidade da Covilhã no sopé da Serra da Estrela, onde os desportos eram mais relacionados com a neve ou o campo. 
Já ensinei os miúdos a andar de mota no campo e a fazer ski na neve. Agora vivemos junto à praia e os meus filhos são uns fanáticos do surf, parecem uns peixes, não saem da água e eu nada! Uma das razões que eu queria ser pai novo era para poder aproveitar os meus filhos e fazer muitas actividades com eles, e como o mar não é nem nunca foi o meu forte, se quero continuar a aproveitar os momentos com eles, chegou a vez de ser eu a aprender. 
Surf parece mais fácil do que realmente é. Após umas boas remadas consegui chegar ao que eles chamam o"outside" completamente estoirado. Foram precisos uns bons 5 minutos para recuperar o fôlego! Depois veio de lá a onda e o Francisco gritou "REMA, REMA, REMA PREGUIÇOSO!", e lá fui eu todo embrulhado de boca à areia e a malta toda a rir. Enfim, uma aventura, mas lá consegui logo no primeiro dia pôr-me de pé e apanhar umas ondas com muitos tralhos à mistura. 
Vamos ver como corre daqui para a frente, mas o surf até é um desporto giro. Vale bem a pena o esforço e os pirulitos que se engolem. O Francisco vai dar um grande professor, teve muita paciência e fartou-se de puxar por mim embora eu fosse um pouco indisciplinado e não ia atrás de todas as ondas que ele mandava, mas na verdade estava apenas a recuperar o fôlego e não queria dar parte fraca." 

Gonçalo




SHARE:

Sem comentários

Enviar um comentário

© cinco para as duas. All rights reserved.