quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Ainda sobre os incêndios deste Agosto...

Estivemos algum tempo sem escrever... não por falta de assunto mas por opção. Agosto foi um mês cheio de "mix felings". Felicidade, raiva, impotência tristeza e muita preocupação.


Como sabem vivemos da agricultura ela é que nos dá sustento, Todos os anos vivemos esta época em stress... a tentar proteger e preservar aquilo que temos. Viver da agricultura e da floresta não é fácil. Torna-se ainda mais difícil quando a mão criminosa, os descuidos, a negligência, a desgovernação e a ingestão não dão tréguas.

No dia 19 de Agosto às 15h, começou um pequeno incêndio na Covilhã, perto da universidade, não foi de noite, nem num local remoto, foi mesmo ali debaixo do nariz de toda a gente! O que aconteceu depois toda a gente sabe, porque a história (infelizmente) repete-se. O que se calhar as pessoas não sabem é que por falta de meios, ordens e a devida coordenação o fogo não foi combatido a tempo, da forma certa e nos locais correctos. Ouvimos várias vezes o grupo de bombeiros estacionados juntos das estradas dizer que as ordens dadas pelo "comando" foram só para assegurar populações e casas o resto deixar arder😢.


Foi a resposta típica, porque tentámos alertar para os nossos corta fogos que tinham o triplo do tamanho das estradas e com bocas de água publicas que atravessam a montanha junto a um dos maiores corta fogos que poderiam dar apoio o combate, mas essas não estão preparadas e até trancadas a sete chaves, não sabemos bem porquê, ninguém previu... Juntámos alguns meios e pessoas para ajudar no combate mas nada aconteceu...


Anunciaram nos telejornais 13 (RTP) 14 (SIC) meios aéreos e quando chegámos nem um vimos no ar. Mais tarde contámos 1 avião e 4 helicópteros. Na Vila do Tortosendo tivemos sorte porque o vento ajudou mas ao contrario do noticiado arderam casas, não foram foi no centro da vila. Que às 16h de domingo haviam bombeiros que ainda não tinham comido e que foi a população que os alimentou. Porque as pessoas se juntaram e ofereceram aquilo que tinham para ajudar os bombeiros nesta luta. Que os bombeiros são uns heróis mas não têm meios, nem talvez a melhor formação, conhecimento do terreno, nem coordenação para esta luta. Que, como estamos sempre a dizer aos nossos filhos, se continuas a fazer as coisas da mesma forma não podes esperar resultados diferentes.


No passado dia 19 arderam-nos cerca de 300 hectares de floresta. 27 anos de investimento e trabalho, porque há 27 anos também tinha ardido tudo... ardeu uma área muito mais vasta de património público, de todos nós. Chega! Abram os olhos, as coisas têm de mudar, os fogos sempre existiram e sempre vão existir mas temos que exigir a devida prevenção, formação, gestão e sustentabildade da floresta, organização, um combate profissional e eficaz e a devida penalização para os criminosos e irresponsáveis. Porque estão a destruir o nosso país.😢😠
Depois de sabermos que este ano a área ardida em Portugal é seis vezes superior à média da última década mas o número de fogos não, esse não aumentou. O que é estranho... Menos incêndios mas mais área ardida. Castelo Branco é agora a região com mais área queimada, cerca de 37 mil hectares.
No meio de tudo isto, acharíamos nós que o país estaria indignado e a exigir respostas mas não... está o facebook inundado de indignação aos livros de actividades para férias azuis e cor-de-rosas, livros esses há mais de um ano no mercado. Outros preocupados com o resultado da sua equipa de futebol.....Ficámos com a sensação que o interior vale zéro para os responsáveis pelos destinos do país, e que estes assuntos de menor importância servem para desviar e entreter a massa citadina que não vive nem sente estes assuntos na pele, mas isso somos nós a pensar. E sim também temos opinião sobre esses assuntos mas não é conversa para hoje.
Demorámos a escrever porque também demorou tempo a assentar a poeira. O que fazer agora? Não sabemos bem mas esperamos que os nossos filhos e netos possam voltar a ver a serra e o nosso pais no seu esplendor e que talvez aprendam com os erros do passado e tentem mudar alguma coisa. Porque quando não tivermos o que beber, comer ou respirar aí sim vai ser complicado e talvez alguém se lembre da importância real de preservar a floresta e o nosso ecossistema.

♡ Família Garrett


SHARE:

Sem comentários

Enviar um comentário

© cinco para as duas. All rights reserved.